Logo Sanofi
Logo Healthy Children Happy Children.jpg
 

 

 

Cantinho da mãe

 
 Saúde > Diarreia 
Meu filho está com diarreia, e agora?
Especialista ensina o que fazer para evitar a desidratação e até o bumbum assado
Por: Da Redação >> 17 Junho 2013
 

Moldura criança comendo brócolis

Na infância, ninguém escapa da diarreia. Por isso, pais de primeira viagem, nada de ficar com sentimento de culpa. É que o danado do cocô mole pode dar às caras pelo simples fato da criança andar descalça na grama, nadar em água contaminada, comer um alimento mal higienizado ou cozido ou tocar a mão do amiguinho e depois levá-la à boca. “Realmente, há muitas causas para a diarreia, desde vírus, bactérias e vermes até alimentos muito gordurosos ou que provocam alergia ou intolerância, e fica difícil identificar a causa porque os sintomas geralmente são os mesmos, caso do vômito e da cólica intestinal. Dependendo do caso, o médico pode pedir um exame de cultura de fezes, mas isso não é comum. Acontece mais quando há suspeita de rotavírus”, esclarece o pediatra Gerson Matsas, do Hospital Samaritano de São Paulo.

Apesar da diarreia ser considerada um mecanismo de defesa do organismo, já que elimina os micro-organismos danosos nas evacuações, e, por isso, não deve ser cortada, você não precisa ficar de braços cruzados vendo seu filho reclamar do cocô mole. Segundo o dr. Gerson Matsas, as atitudes abaixo vão tornar esse período, que pode durar até uma semana, menos desgastante e sem riscos à saúde do baixinho:

 Ligue para o pediatra e veja se há necessidade de ir ao pronto-socorro. “Se a criança estiver ativa, tomando líquido e se alimentando, mesmo que pouco, não há porque fazê-la ficar quatro, cinco horas no hospital. Isso só vai deixá-la mais cansada e irritada”, afirma o médico.

Ofereça o soro caseiro após cada evacuação e nos intervalos conforme a criança for aceitando. A receita é simples: são 250 ml de água mineral filtrada, duas colheres de sobremesa de açúcar rasas e uma colher de chá rasa de sal. “A vantagem do soro em relação é água é que ele previne a desidratação. Mas também não precisa forçar o filho a beber. Geralmente, o que ele aceita é o que o seu organismo está necessitando”, explica o pediatra.

Reduza a quantidade de alimentos laxativos na dieta. Estão nessa lista o mamão, o suco de laranja e os que têm muita gordura, como batata frita e carnes gordas.

 Limpe e seque bem o bumbum após cada evacuação. O ideal é lavar a região com água e sabonete neutro ou específico para higiene íntima infantil e secar bem com uma toalha macia logo após a criança ir ao banheiro – tome o cuidado de pressionar o tecido contra a pele em vez de esfregá-lo. Se isso não for possível, limpe o bumbum com um pano úmido. Na sequência, aplique uma camada de pomada contra assadura para deixar a pele protegida para a próxima evacuação. Repita esse ritual de limpeza sempre que for possível.